Difusão de acervos e institucionalidade: desafios do Tainacan para 2019

A equipe de pesquisa, desenvolvimento e implementação do Tainacan se reuniu entre os dias 22 a 24 de janeiro para apresentar os resultados alcançados ao longo de 2018 e planejar as metas para o ano de 2019.

O Laboratório de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Mídias Interativas  (Media Lab / UFG) foi o ponto de encontro para a rede de 35 pesquisadores que compõem o Laboratório de Políticas Públicas Participativas (L3P), que é responsável pelo desenvolvimento do software Tainacan e seus projetos de implantação em instituições parcerias.

O primeiro dia do encontro focou uma rápida retrospectiva dos resultados alcançados em 2018 e em conclusão nestes próximos meses do início de 2019. Também foi o momento para a discussão sobre as atuais parcerias e a conclusão de alguns projetos em andamento.

As instalações do Museu do Índio e do Museu Histórico Nacional usando o novo Tainacan foram destaque pelo sucesso alcançado em acessos e repercussão. Bem como os doze artigos publicados ao longo do ano que colocam o laboratório em evidência no país pelos resultados alcançados na quantidade e qualidade da produção científica, que norteia o desenvolvimento do software.

O segundo dia de planejamento foi o momento de discussão sobre o desenvolvimento do Tainacan. Na ocasião diferentes áreas do laboratório compartilharam suas experiências de uso e implementação em instituições parcerias e, com isso, convencionado as prioridades para o desenvolvimento ou o aprimoramento de novas funcionalidades.

Vale ressaltar que em apenas um ano desde sua nova versão, o plugin do Tainacan  já foi incorporado ao repositório oficial do WordPress e seu Tema também está em vias de aprovação para o mesmo repositório. A conquista é um grande passo para a consolidação do software e do projeto como alternativa dentre os convencionais softwares de gestão de acervos digitais.

O terceiro e último dia contou com a presença de parceiros do laboratório como os pesquisadores José Murilo, Rose Miranda e Claudineli Moreira Ramos, que compartilharam com a equipe experiências de arranjos institucionais para projetos de pesquisa e desenvolvimento que surgiram a partir de pesquisas científicas, como é o caso do Tainacan.

Com isso, o projeto tem como principal horizonte para 2019 a busca por novos parceiros e o lançamento de novas instalações. O que dialoga diretamente com os caminhos a serem trilhados pelo desenvolvimento, que visam a implementação da busca integrada entre acervos e com o enriquecimento de informações a partir de conexões semânticas.

Para saber mais, acompanhe nossos boletins de desenvolvimento, neles serão compartilhados as frentes de trabalho da nossa equipe e as principais questões em discussão na comunidade do Tainacan.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *